Imprensa merece as ‘bananas’ de Bolsonaro, diz Jean Wyllys

O ex-deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) usou o Twitter, onde possui cerca de 850 mil seguidores, para criticar a atividade dos grandes grupos de comunicação do Brasil. O jornalista, escritor e pesquisador espera uma cobertura mais incisiva do círculo de poder em torno de Jair Bolsonaro.

“Respeito é algo que se conquista, não é concedido. Enquanto a imprensa comercial seguir com sua postura esquizofrênica em relação ao governo fascista (criticar o presidente, mas proteger os ministros da Economia e Justiça), merecerá as bananas que o fascista tem lhe mandado”, escreveu no domingo, dia 16. A postagem gerou 4 mil curtidas.

Além de desaprovar ações e palavras de Bolsonaro, Wyllys também despreza, como constatado em seu tweet, as decisões e ideologias de Paulo Guedes e Sérgio Moro, os dois mais poderosos e populares ministros. Ambos desfrutam de dilatado espaço e valioso crédito no noticiário de TVs, rádios, jornais, revistas e portais.

As ‘bananas’ citadas por Jean são o gesto indecoroso feito por Bolsonaro em pelo menos duas ocasiões a fim de demonstrar sua irritação com jornalistas. Desde o início da carreira política, o presidente mantém relação hostil com a grande imprensa. Ele costuma protagonizar discussões cotidianas com repórteres nos portões do Palácio da Alvorada e em entrevistas coletivas.

Dividindo-se entre compromissos acadêmicos nos Estados Unidos e na Europa, Jean Wyllys, graduado em Jornalismo e mestre em Letras e Linguística, pretende ampliar a análise da mídia e a oposição ao atual governo. Anunciou para março o lançamento de uma plataforma digital que vai reunir blog, vídeos, ilustrações e suas redes sociais.

Wyllys já fez parte da mídia dominante que ele deprecia hoje. Ganhou fama instantânea em 2005, ao participar da quinta edição do reality show Big Brother Brasil, de onde saiu campeão. No mesmo ano, foi repórter do Mais Você de Ana Maria Braga. As duas atrações são da tão enxovalhada Globo. Em 2014 tornou-se apresentador no Canal Brasil (pertencente à programadora Globosat) de uma sessão de curtas-metragens engajados com as reivindicações de  gays, lésbicas, bissexuais, transexuais e travestis.

Fonte: Terra

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui